Dicas de saúde. Sentir raiva prejudica sua saúde.

raivaUCA

Dias de fúria.

Às vezes (ou frequentemente para alguns) tem dias que tudo parece estar contra você. É a fila no banco, o farol que fecha quando você está atrasado, o celular que não funciona, o chefe que pega no pé, enfim uma centena (ou milhares) de coisas que nos irritam e nos fazem ficar tensos e com sentimento de raiva de alguém ou de alguma coisa.

A raiva, em sua concepção psicológica é um sentimento importante para nos mobilizar para a ação, mas que, em excesso, pode até gerar problemas de saúde.

“A raiva é uma emoção que faz parte de nossas vidas e senti-la quando somos provocados ou agredidos é normal e difícil de controlar. É uma reação de sobrevivência da espécie. Neste caso, se a raiva salvar sua vida, será positiva”, diz a psicóloga Marilice Rubbo Carvalho, especialista em comportamento cognitivo pela USP (Universidade de São Paulo).

Em pequenas doses, a raiva pode servir de impulso para ações ou motivação para mudanças, segundo Armando Ribeiro das Neves Neto, psicólogo e coordenador do programa de avaliação do estresse do hospital da Beneficência Portuguesa de São Paulo. “As medicinas antigas defendiam que todas as emoções são positivas se estiverem equilibradas em nossas vidas. A raiva pode ser um gatilho para nos mobilizar para a ação. É uma emoção muito poderosa e que, quando bem canalizada, nos faz ter energia para enfrentar as dificuldades”, diz Ribeiro.

O problema todo começa quando o sentimento extrapola o bom-senso e passa a prejudicar a saúde e o convívio social. “Ela é ruim quando chega a causar sintomas mentais e físicos prejudiciais, como depressão”, aponta Carvalho.

Sentir raiva excessiva e de forma constante pode trazer diversos males ao indivíduo ao longo do tempo. “Podem surgir problemas como cansaço físico excessivo, falta de memória e problemas gastrointestinais”, cita a psicóloga.

A raiva provoca uma descarga de adrenalina muito grande no organismo, e leva a alterações fisiológicas como aumento da pressão e dos batimentos cardíacos, tonturas, vertigens, tremores, sudorese, pelos arrepiados, inquietação e até insônia. É como se o corpo, literalmente, se preparasse para o ataque.

Ao longo do tempo, essas “descargas” de raiva podem acarretar doenças mais graves, caso ocorram com muita frequência e intensidade além do aceitável. “Os hormônios por trás da raiva podem se transformar em gatilhos para um infarto cardíaco ou acidente vascular cerebral (AVC)”, alerta Neves Neto.

A raiva também pode levar à obesidade, já que está por trás do transtorno do comer compulsivo, que leva indivíduos a ingerirem desenfreadamente comida.

Isso sem contar os prejuízos no convívio social e o isolamento que o sentimento pode acarretar, uma vez que alguém constantemente raivoso se torna desagradável, afastando as pessoas que ama de perto de si. “Raiva excessiva maltrata o corpo, a mente e principalmente as relações. É responsável por destruir casamentos, impedir a comunicação afetiva e a escuta atenta. Literalmente, ela cega”, acrescenta Neves Neto.

“Explosões”

A raiva pode começar com uma simples irritação e se transformar em fúria, se não for controlada ou canalizada corretamente. O maior ou menor potencial para se ter este sentimento tem bastante ligação com a personalidade de cada pessoa e com a maneira como ela encara a vida. “A forma de se encarar os problemas e adversidade na vida tem relação com o sentir raiva”, diz Carvalho.

Atitudes como inflexibilidade, perfeccionismo, exigência e impaciência transformam o indivíduo em alguém mais raivoso que os demais. Como quase sempre as coisas não saem da forma como a pessoa gostaria, ela se sente frustrada, insegura e ameaçada, e se torna alvo fácil da raiva. “É necessário fazer uma reestruturação cognitiva para que seus pensamentos e crenças de vida possam ser trabalhados e assim ter uma melhora”, explica a psicóloga.

Junto com o estresse do dia a dia, essa raiva pode ser potencializada e transformar a pessoa em uma bomba-relógio prestes a explodir. “O estresse aumenta ainda mais a irritabilidade e os ataques de raiva podem ser mais intensos”, diz a médica. “O problema normalmente se dá quando a pessoa perde controle desse estado emocional e começa a reagir intensamente ao sentimento”, continua ela.

Daí para agressões físicas ou verbais é um passo. Expressar a raiva de forma violenta, no entanto, não é considerado um comportamento normal, ainda que todo dia vejamos na TV e no noticiário exemplos desse tipo. “O ‘explodir’ geralmente ocorre com pessoas agressivas e muitas vezes com transtorno de personalidade”, fala Carvalho.

Essas explosões podem indicar algum problema psiquiátrico, como transtorno bipolar, caracterizado por oscilações de humor que podem levar a ataques de fúria e raiva, ou transtorno de personalidade borderline, cujas características de comportamento são explosão, agressividade, intolerância e irritação. “Sempre se recomenda uma avaliação com especialista para um diagnóstico e tratamento adequado”, frisa a especialista da USP.

Veja como lidar com a raiva de forma positiva

O primeiro passo para lidar com esse sentimento é não negá-lo. Se ele está lá, tente entendê-lo e avaliá-lo com a maior clareza possível, prestando atenção nos pensamentos que o levam a sentir raiva. “Identificar se estamos sentindo raiva por uma situação real ou se estamos tendo reações desproporcionais ao evento é fundamental”, afirma Carvalho.

Para isso, é preciso avaliar a situação com tranquilidade e tentar olhá-la de vários ângulos, e não somente o seu, frisa a especialista da USP. A ajuda de um terapeuta pode ser de grande valia neste processo. “Para lidar melhor com a raiva é necessário reconhecer o que desencadeia esta emoção em você mesmo. O que pode te provocar e a reação que isso gera em você”.

Outra dica valiosa é tentar ser o mais assertivo possível em todas as situações de sua vida. Para isso, é preciso uma dose de coragem e equilíbrio emocional, mas os resultados prometem ser muito melhores do que “engolir sapos”. “Tente falar o que incomoda, quando possível, de forma clara e objetiva”, fala Carvalho. Segundo ela, isso evita que se guardem mágoas mal resolvidas que poderão se transformar em raiva acumulada.

Agir por impulsividade também pode levar uma pessoa a excessos desnecessários. O ideal, ao sentir aquele acesso de raiva, é sempre esperar antes de reagir. O tradicional “contar até dez” ajuda. “Tente fazer uma respiração, descansar e somente depois tomar uma atitude”, fala a psicóloga. “De forma racional, lembre-se sempre: quem mantém a calma tem o controle da situação”, completa Fátima Repanas, psicóloga e terapeuta floral.

Investir em atividades que ajudem a canalizar este sentimento, como algum esporte, também é uma boa forma de lidar com a raiva. “É possível transformar sentimentos negativos em positivos quando você se propõe a transferir essa emoção para uma atividade construtiva. Um bom exemplo seria a corrida”.

Fonte: UOL

Anúncios

Sobre mbagestaodesaude

A Universidade Corporativa Abramge tem como missão contribuir continuamente para a aquisição de novos conhecimentos no setor de saúde suplementar. Realiza há mais de ... anos os MBAs Gestão de Planos de Saúde e o Gestão de Promoção de Saúde e Qualidade de Vida nas Organizações. É o braço educacional da Abramge – Associação Brasileira de Medicina de Grupo, entidade criada em 08 de agosto de 1966 para representar os grupos médicos que se constituíam em empresas, denominadas medicina de grupo, é hoje importante referência no desenvolvimento do sistema privado de saúde no país. Atuando como interlocutora junto às autoridades governamentais, mantém-se como parceira da sociedade na busca e implementação de soluções e de atenções nos cuidados com a saúde da população brasileira. A Associação Brasileira de Qualidade de Vida (ABQV) é uma organização não-governamental, sendo a maior referência nacional na área, que tem como missão principal a promoção da integração e o desenvolvimento de profissionais multidisciplinaresvoltados para a atuação em qualidade de vida, divulgando tendências, provocando discurssões/reflexões e formando opiniões balizadoras de estilo de vida, padrões e ambientes saudáveis. O Centro Universitário São Camilo, tradicional instituição privada de educação superior na área da saúde, é mantida pela União Social Camiliana (USC). Atualmente, com inúmeros cursos de graduação e de pós-graduação, incluindo o mestrado pioneiro em Bioética reconhecido pela Capes, o Centro Universitário São Camilo vem recebendo diversos reconhecimentos externos pela qualidade dos serviços prestados à comunidade como, excelente desempenho no ENADE do Ministério da Educação, categorização de seus cursos da área de saúde como melhores do Brasil pelo Guia do Estudante, Prêmio TOP HOSPITALAR, Prêmio HOSPITAL BEST e a certificação ISO 9001/2000 do Inmetro e da Fundação Vanzolini.
Esse post foi publicado em comportamento e saúde, dicas de saúde. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s